Olá, sou Heriberto Estolano, animador aqui na Putz Filmes e criador do podcast Café com Games (cafecomgames.com), e me foi incumbida a tarefa de escrever sobre games por aqui. Pensei em trazer para esta seção jogos que tragam propostas artísticas diferentes, especialmente em sua animação.

O título escolhido esta semana é o Child of Light, produzido e lançado em 2014 pela canadense Ubisoft, que imerge o jogador em um verdadeiro conto de fadas. Você assume o papel da princesa Aurora: uma jovem de coração puro que teve a alma trazida ao reino de Lemuria, onde a Rainha Negra roubou o sol, a lua e as estrelas. Cabe a Aurora embarcar em uma jornada para capturar novamente estas três fontes de luz, além de derrotar a rainha e restaurar a ordem. E toda essa história é passada ao jogador por rimas (sim, inteiramente rimado).

 

No comando de Aurora, o jogador explora um dos mais belos cenários já produzidos para um game, todo composto por pinturas aquareladas. É impossível ligar o jogo pela primeira vez e não ficar parado por alguns segundos apenas admirando a paisagem, efeito que se repete a cada vez que você adentra em um novo ambiente. Os efeitos de luz, sombra e as texturas de cada cenário tiveram um cuidado especial, e detalhe para a animação da personagem principal que parece estar debaixo d’água com seu cabelo esvoaçado. O game é obrigatório para diretores de arte, ilustradores e todos que apreciam um trabalho visual feito com capricho.

A jogabilidade 2D lembra os clássicos jogos de plataforma do Super Nintendo, com segredos escondidos por toda parte para que os mais exploradores encontrem. Há também diversos quebra-cabeças para serem resolvidos e combates para ser destravados com ajuda de outros personagens que se juntam à Aurora em sua missão.

Para os que ficaram interessados, Child of Light está disponível para Xbox 360, Xbox ONE, PC, Playstation 3, Playstation 4 e Wii U.